Onde tu mora?

Várias vezes por semana respondo essa pergunta...
Nesse exato momento, moro em um sofá na cozinha da casa do MC da Eslovênia, em Ljubljana... mas na semana passada morei em um bangalô em um parque-reserva natural em Lisboa... Há 2 semanas, morei em Skopje em um apartamento com 2 guris de Hong Kong e uma guria da Macedonia, com quem dividi quarto... na semana anterior, tinha divivido quarto com 3 guris da Bulgária, em um apartamento onde moravam mais 2 búlgaros e 1 polonês...
Desde junho, já morei com uma indiana na Noruega, com uma alemã em uma antiga estação de trem que foi transformada em residencia de estudantes... morei no meu antigo apartamento em Praga; dividi um sofá com uma norte-americana em Rotterdam; morei em São Leopoldo, com meus pais; morei no apartamento da Débora, em Porto Alegre; morei em Salvador, com um amigo da AIESEC de lá; morei no Holliday Inn, em São Paulo, com mais 600 pessoas; morei no dormitório da universidade de Zagreb onde podia falar português com uma amiga madeirense; na Croácia morei também em uma escola primária em Rijeka e em um vilarejo perto de Zadar – ambos na costa do mar Adriático...
E em meio a todas essas andanças, moro em Budapeste, na Hungria... dividindo apartamento com um colombiano e uma polonesa. Já paguei 5 meses de aluguel... e no total estive lá mesmo por 52 dias – o equivalente a 7 semanas!!!
Nessas minhas andanças pela CEE já não sei mais o que é “morar”... em 6 meses já dormi em 30 camas diferentes, em 20 cidades, em 13 países... já dividi quarto com pessoas dos lugares mais variados, já dividi cama, já dormi em sofá, em saco de dormir, no chão...
...e já cheguei à conclusão que, onde quer que eu esteja por mais de 3 dias dormindo na mesma cama, já “moro” aí...
O mais interessante é quando a pergunta é feita em inglês: “Where do you live?” Porque se traduzido, isso fica “Onde tu VIVE?”
E pra essa pergunta posso responder...
...vivo nas ruas por onde caminho, nas cidades que exploro, nos países que visito...
...vivo nas folhas do outono que estalam sob meus pés, na neve que afunda macia deixando pegada, na areia das praias que pisei...
...vivo nos prédios históricos, nos paralelepidedos das ruas datadas de séculos passados, no badalar dos sinos das igrejas góticas...
...vivo na paisagem que vejo do alto de um morro, nas montanhas vistas da janela do avião...
...vivo no Danubio a correr, no por-do-sol no Tejo, na neve caindo sobre Ljubljana...
...vivo nos trens, nos aeroportos, nas rodoviárias, nas fronteiras, nos carimbos do meu passaporte...
...vivo nos jantares que cozinho para os amigos e na comida de seus países que eles compartilham comigo...
...vivo no chimarrão que tomamos juntos, no chá quente depois de um dia frio...
...vivo nas conversas que tenho com todas essas pessoas que encontro, nas histórias maravilhosas de suas vidas, nos seus planos para o futuro, nas suas opiniões sobre o mundo...
...vivo nas risadas compartilhadas com amigos, nos sorrisos das pessoas que cruzam meu caminho nas ruas, nos abraços de reencontro...
...vivo nas noites badaladas de festa, nos domingos preguiçosos...
...vivo em cada momento, nao importa o país, a cidade... não importa a cama onde durmo, sob qual teto me abrigo ou quem são as pessoas que vêem a minha cara de quem recém acordou... VIVO a minha aventura, as minhas viagens... vivo a Europa Centro-Oriental e esse meu ano por aqui... vivo tudo isso porque estou exatamente onde gostaria de estar em cada momento :)
(read the english version here)

Comentários(5)

5 Response to "Onde tu mora?"

  1. polish_nano, on dezembro 10, 2008 said:

    Barbarinha, corrija o titulo do post para "Onde tu moras". Pra nao pegar mal pra voce. :)

    bjs e saudacoes da polonia.

    nano

  2. Luna Ferolla, on dezembro 10, 2008 said:

    Você pode até dizer que isso não é "chique" e eu tenho que concordar...

    mas vai dizer que não é emocionante?

    Adoro acompanhar seu blog, como sempre!

    beijos
    Luna

  3. Virginia Calabria, on dezembro 10, 2008 said:

    Oi Barbara,
    Sou apenas uma forasteira que mora na Finlandia. Mais especificamente na Laponia. Estou passando por momentos dificeis aqui e confesso que andei pensando se teria feito a opcao certa. Suas palavras sobre viver o momento onde esta cairam na hora certa.
    Adorei seu blog indicado por minha prima, que talvez te conheca.
    Boa sorte em sua viagem.
    Virginia
    (virgbrasil@gmail.com)

  4. Bárbara, on dezembro 11, 2008 said:

    Nano: a beleza da linguagem está na liberdade de escrever do jeito que o escritor quer... se escrevo do jeito que falo é pra que quem le tenha a impressão de estar conversando comigo ;)

    Não sei se tu conhece o poema "Ai se sesse"... recomendo!! clica aqui pra ver: http://barbarabasso.blogspot.com/2007/05/ai-se-sesse.html

    Luna: sim, emocionante com certeza!!! mas chique não é mesmo... ;)
    Te espero em Budapeste pra tu fazer parte do blog e não só acompanhar ele ;)

  5. Licia, on outubro 08, 2010 said:

    Bárbara,
    seu post é perfeito!
    Enquanto eu estava na minha andança pelo mundo, em cada lugar que eu para e tirava a mochila das costas eu chamava de casa, e incrível, eu realmente estava em casa.
    O quarto do hostel dividido com pessoas de diferentes culturas, as GH asiáticas e as casas dos amigos que me hospedavam. Não importa onde eu estava, eu sempre me referia aquele lugar como minha casa, e os países, as cidades, as vilas e as pessoas sempre me acolheram... enfim sempre estive casa. E talvez seja isso... pra pessoas como nós, o mundo é a nossa.
    Obrigada pela dica da leitura, adorei!